quarta-feira, 1 de julho de 2015

Missão com os pés no mundo e os olhos nos céus - Atos 1.1-11.

1. Louvo a Deus pela vida de todos que aqui estão. Por vocês que desejam ouvir acerca da nossa missão no mundo.

2. Uma dos maiores estímulos para a nossa tarefa missionária é a segunda vinda do nosso Senhor Jesus Cristo.

3. Por isso, penso que a missão da igreja deve ser feita com os pés no mundo e os olhos nos céus.

I. Após a sua ressurreição, Jesus esteve com os seus discípulos para instruí-los em sua atuação no mundo.
I.1 Durante quarenta dias ensinou acerca do “reino de Deus” àqueles que testemunhariam dele ao mundo (v. 3 “...durante quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus”). Esse reino envolvia:
a. Jesus como o Rei estabelecido por Deus. Disse ele aos seus discípulos: “Toda autoridade me foi dada no céu e na terra” (Mt. 28.18).
b. O fazer “discípulos” como dever (Mt. 28.19 “Ide, portanto, fazei discípulos...”).
c. A capacitação espiritual dos discípulos com o Espírito Santo.

I.2 A presença impactante dos discípulos no mundo demandava o poder de Deus  (v. 4 “E, comendo com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai...”).
a. Jesus já havia lhes falado do revestimento de poder (=Promessa do Pai) dado por Deus para que a igreja pudesse realizar a missão (v. 4b. “ ...a qual, disse ele, de mim ouvistes”; Lc. 24.49; Jo. 14.16,17,25,26).

b. A capacitação contou com a paciência dos discípulos, pois tiveram que esperar o batismo do Espírito Santo (v. 5 “...mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias”).

II. Alguns dos discípulos acreditavam que o derramamento do Espírito seria o estabelecimento do reino de Israel (v. 6 “...lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel?). Na verdade a capacitação do Espírito arrebanharia, por meio do evangelho, a “nação santa” de Deus.

II.1 Deus reservou para si o tempo da restauração (v. 7 “Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade”). Ao olhar para o céu, devemos apenas aguardar e não determinar a vinda do Senhor.

II.2 O Espírito Santo daria o poder necessário para que os discípulos colocassem poderosamente seus pés no mundo (v. 3 “mas recebereis poder, aos descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas...”).
a. O testemunho poderosos se expandiu de forma centrífuga (“v. 3 “...Jerusalém>Judéia>Samaria>confins da terra”). Pedro testemunho do evangelho  e  num só dia “quase três mil pessoas” se renderam a Cristo (At. 2.41).

III. Depois de ter dado as instruções para a missão no mundo, Jesus volta os olhos dos discípulos para o céu (v. 9 “Ditas essas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos”).
III.1 A ascensão de Jesus poderia ser um estímulo ao desânimo. Pois o mestre havia ido embora.
III.2 A ascensão de Jesus deixou a esperança de sua vinda como motivação à obra missionária (v. 4,5 “...e lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o viste subir”).
a. Na sua vinda o Senhor pedirá conta aos trabalhadores de sua seara. Que frutos entregaremos a ele?

Ø  Igreja olhe para os céus, pois um dia nosso Senhor voltará e a nossa missão colher os frutos da sua seara. Coloque os pés na seara, certo de que o Senhor voltará para nos pedir conta.

Ø  Oração: Pedir ao Senhor que a esperança de sua vinda nos estimule a evangelizar.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

A fé que supera os obstáculos (Nm. 13:25-32)

1. A fé em Deus nos faz caminhar em direção a uma situação melhor.

1.1 Pela fé nos apropriamos do relacionamento com Deus e de todas as promessas dele. O escritor aos hebreus condiciona a vida agradável a Deus, a fé (Hb. 11:6).

1.2 Pela fé podemos superar os obstáculos que a vida impõe.
•    A ansiedade é superada pelo cuidado de Deus.
•    A tristeza é superada pela alegria de Deus.
•    O pecado é vencido pela fé no sacrifício de Cristo.

2. O povo de Israel deveria ter fé para entrar na terra prometida.

2.1 Doze espias foram enviados para verem a terra que Deus havia prometido.

2.1.1 Eles eram príncipes das doze tribos de Israel (v. 2).

2.1.2 Eles passaram quarenta dias espiando a terra. Tiveram uma conclusão positiva (v. 27): “[a terra] verdadeiramente, mana leite e mel”. Era uma terra abençoada onde um cacho de uva necessitava de dois homens para carrega-lo (v. 23).

2.1.3 Dez dos espias não tiveram a fé para se apropriar das promessas de Deus e se detiveram nas dificuldades que viam. Os povos e suas cidades eram fortes demais (para quem?) (v. 28). Sua incredulidade os fez se enxergarem como “gafanhotos” (v. 33).

2.2 Apenas dois espias tiveram fé para continuar em busca daquilo que Deus prometera. Calebe e Josué (v. 30; 14:6) confiaram e persistiram na palavra de Deus.

2.2.1 Para se apropriar das promessas de Cristo é necessário confiar mesmo que pareça difícil. Nos dias da igreja primitiva alguns estavam perdendo a fé porque julgavam demorada a volta de Jesus (2 Pe. 3:9,13).

3. A fé é testada pelos obstáculos. Eles sempre existirão diante das promessas de Deus e devemos vencê-los.  Três lições para a vitória sobre os obstáculos até a promessa de Deus:

I. ANIME-SE PELOS SINAIS DA PROMESSA DIVINA.

1. Os frutos da terra sinalizavam uma bênção maravilhosa para o povo (v. 27). Eles teriam uma terra próspera sobre a qual descansariam com Deus.
    DEUS SINALIZA PARA NÓS A PROMESSA MARAVILHOSA ATRAVÉS DAQUILO QUE ELE FEZ EM CRISTO. UM NOVO MUNDO, UM NOVO CORPO, UM NOVO NOME ESTÃO MAIS ADIANTE. ANIME SEU CORAÇÃO ATÉ ELES.

II. CALE A VOZ INCRÉDULA DA TUA VIDA.
1. Os espias incrédulos traziam desânimo ao coração do povo (v. 28). Calebe, porém confiava na vitória que Deus iria dar sobre os inimigos (v. 30).

2. Os espias incrédulos foram calados pela fé de Calebe.

    CALE OS INCRÉDULOS COM A TUA FÉ. SEJA OTIMISTA NAQUILO QUE DEUS TE PROMETEU. LEMBRE-SE QUE O DIABO VIVE A TENTAR CAUSAR CONFUSÃO NOS PLANOS DE DEUS (veja. Mt. 16:23 – “Arreda, Satanás!”).

III. VEJA-SE COMO VITORIOSO SOBRE OS OBSTÁCULOS.

1. O desânimo produzidos pelos obstáculos afetou a visão dos dez espiais (v. 33). Eles se deixaram tomar pela “identidade de gafanhoto”. E assim também foram vistos.

2. O desamino no cristão é vencido pela sua identidade em Cristo. Nele somos mais que vencedores (Rm. 8:37).
    COMEÇE A SE EXERGAR EM CRISTO. POR ELE TODAS AS PROMESSAS DE DEUS PODEM SER GOZADAS. IDENTIFIQUE-SE COM A ALEGRIA DE CRISTO.